Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

 
 
Vou contar-vos uma história, 
difícil de compreender.
Mas um facto é um facto,
não há como o esconder.
 
Todos quantos aqui vêm,
sabem que gosto de ler.
E depois, nas horas vagas,
lá vou tentando escrever.
 
É algo que muito me apraz,
(embora me escasseie a mestria),
e do jeito que sou capaz,
vou dando forma às palavras,
desculpem, é uma mania,
e torno-as dor ou mel …
em frases que se escapam
e se espalham no papel .
 
Pois agora, ultimamente,
vá-se lá saber porquê,
ando distraída, ausente,
sinto que algo está a mudar.

 Não é que esta fraca escrevente,

em vez de se tentar apurar
nas letras, de que tanto gosta,
pega nas alfaias às costas
e para a quinta vai labutar!!!
 
E lá planto, semeio, colho,
toda cheia de vontade.
Mas que parvoíce é esta,
Se o que eu gosto é da cidade?!!!
 
Tomo conta das vaquinhas,
das ovelhas, das galinhas,
recolho ovos e leite,
colho cerejas e maçã
e tudo com um deleite,
como se não houvesse amanhã!
 
Internem-me! Peço eu.
Isto está a ficar um vício!
E já que a culpa é tua, Rafael,
(e olha que não tens indulto),
vê se arranjas um empenho,
daqueles bons, dos de antanho ,
para eu voltar às palavras
e estendê-las no papel!
 
O que eu me esqueci de dizer,
é que a Quinta é a brincar!
E se me apetece ler, trabalhar, escrever,
ninguém me pode enredar.
Mas apesar dos compromissos,
que não posso descurar,
quando dou por mim já fui,
sorrateira, a disfarçar,
para a Quinta “encher chouriços”,
E o trabalhinho, a aguardar!
 
É ou não é um caso sério?
Um caso para me inquietar?
 
 Donagata em 2009-07-16



publicado por Donagata às 19:13
Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

 

Imagem de Miguel Ministro (não autorizada)

 

Exórdio para uns parabéns!
 
 

Serve o texto seguinte, pois, para parabenizar, o artista que há em ti, Miguélico. Pois, para que saibas, de saber feito, que nunca, de jeito algum, eu, também artista, pois, é certo (mas do disparate), deixaria passar inobservada pois, data tão relevante, relativa a alguém que tanto me apraz. Só é pena, pois, não ter a certeza de quantos anos fazes!... Pois, mas isso agora também não interessa nada!

 
Ora bom. Escrever para ti.
Acredita. Estou aflítica.
Pois gostava de mostrar, 
que ainda se encerra por aqui
uma certa veia artística.
 
É apenas um capilar.
Mas uma realidade verídica, 
é que estou a tentar forjar,
uma coisa bem bonítica.
 
Mas, pois que não sei,
não dá mais
e já isto foi sofrídico.
Posso falar de santas pretas,
do firmamento, do além,
de flores ou de pardais,
pois tudo isso é bonítico
e num poema fica bem.
O que não farei, jamais,
é esquecer-me de te dar, 
um beijo muito sentídico,
para mais um ano festejar.
 
Parabéns.

Desejo que tenhas um ano ainda melhor do que este.

Um beijo repenicado.
 
Donagata 2009-05-27

 

 


sinto-me:

publicado por Donagata às 12:04
O diário do meu alter-ego. O irreverente, desbocado, mal disposto e insensato alter-ego. Mas também o sensível, o emotivo, o lamechas, aquele que tenta dizer coisas de forma bonita... Assim num pobre arremedo poético.
mais sobre mim
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Copyrights
Creative Commons License
O Bar da Praia by Donagata (Celeste Pereira) is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.
Based on a work at donagataempontodecruz.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at livroseopinioes.blogspo.com.
Copyright
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
blogs SAPO