Domingo, 10 de Maio de 2009

Imagem: "Cats on a beach" by Louis Wain
 
Gosto de gatos, e pronto!
Gosto deles brancos, azuis, listados,
Tartaruga, laranja, ou malhados,
Siameses, persas, noruegueses,
Rafeiros, europeus ou balineses…
Gosto de gatos e pronto!
Gosto deles bem peludos,
Encantam-me os de pelo raso,
Gosto mesmo dos sisudos,
Mas são raros, um mero acaso.
Aprecio o seu andar,
Elástico e ondulante,
Muito fluido e provocante,
Exibem-se ao caminhar.
São donos do seu nariz,
Nunca se deixam comprar,
São dóceis, mas não servis,
Sabem deixar-se adorar!
São companhias incríveis,
São amigos assombrosos,
Possuem-nos, são terríveis,
Adoráveis e ardilosos…
Gosto de gatos, e pronto!
Sabem-se insinuar
Tornam-se os nossos amos,
Mas acham prazer em gostar,
Daquilo que nós gostamos.
E é assim que nós vemos
Gatos poetas, cantores,
Gatos que pintam e cremos,
Gatos que sofrem de amores!
Gosto de gatos, e pronto!
 
Donagata


sinto-me: nalua...

publicado por Donagata às 23:50

(Imagem: "Devaneios" de Guilherme Faria)
 
Abomino quando me perco em devaneios
deixando fantasias, descuidadas, vagabundas,
percorrerem céleres as ideias mais profundas,
acalentando sonhos de arrebatamentos e anseios.
 
Acobardo-me só de pensar nesses sonhos,
nesse vaguear impudente, que não domino.
Sinto que quero o que nem sequer congemino,
tentando amordaçar os pensamentos bisonhos.
 
E erram assim, as ideias, inconscientes.
Pressinto-as, perturbadas, a esperar,
confiantes que, desse sonho, ao acordar,
descubra paixões reais e não ilusões decadentes.
 



publicado por Donagata às 23:41

(Imagem: "Gritos em silêncio By Susana Weingast)
 
Estou em silêncio, perdida,
revoltada, desiludida,
bem no fundo do meu ser.
Estou tão só, tão magoada,
tão incrédula e desalentada
que tudo em mim está a doer.
Doem-me aquelas palavras
Que urgem mas ficam presas
e não consigo dizer.
Sufocam-me e, sem as soltar
só me apetece gritar,gritar e gritar...
Mas mantenho este mutismo
e um certo fatalismo,
que tardo em reconhecer!
Temo o que está por surgir,
não sei como reagir:
se calar, se acusar,
se esquecer, se perdoar...
Estou só, estou ccansada,
sem reagir, magoada,
será assim que vou ficar?
 
Donagata


tags:

publicado por Donagata às 01:21

 

Triste dia este em que te vi procurar todas as suas coisas para lhas dar.

Triste dia em que essas coisas, que displicentemente, se iam encostando por aqui,

considerando esta casa já um pouco sua, tiveram que dela sair, que a deixar.

Triste dia este em que te vejo procurar e arrumar, tão absorta como nunca vi,

livros, discos, e sei lá que mais, com os gestos maquinais de quem está a sonhar.

Detens-te, por vezes. Estranhas o que tens na mão, não compreendes.

 Até que acordas, paras, olhas sem ver e deixas as lágrimas rolar.

Hoje perdeste a frescura do rosto só possível para os que não sabem,

para os que nunca sentiram a dor de acordar de um sonho de amor.

 

Donagata

 



publicado por Donagata às 01:01
O diário do meu alter-ego. O irreverente, desbocado, mal disposto e insensato alter-ego. Mas também o sensível, o emotivo, o lamechas, aquele que tenta dizer coisas de forma bonita... Assim num pobre arremedo poético.
mais sobre mim
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

23

24
26
27
29
30

31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Copyrights
Creative Commons License
O Bar da Praia by Donagata (Celeste Pereira) is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.
Based on a work at donagataempontodecruz.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at livroseopinioes.blogspo.com.
Copyright
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
subscrever feeds
blogs SAPO