Sexta-feira, 08 de Maio de 2009

 
Caminho, alheada, pela vereda
que me conduz ao portão.
Os cubos de granito da passagem
fascinam-me de uma forma
que não controlo, que não entendo
e a que devo dizer : não!
Passo, atrás de passo, atrás de passo,
lento, cadenciado, impensado,
caminho de olhos presos aos pés,

 que gatinham pelo chão;

às unhas brilhantes, de verniz,

que adornam  dedos irrequietos

como vermes gordos e rosados,
que se agitam, porque agonizarão
na própria sombra.
Na sombra que me angustia,
que se pega, que se agarra
que se prende que me segue, que se adianta…
A sombra, que sou eu sem ser
que me reproduz sem eu querer,
que me prende, que me agarra,
Sempre colada aos meus pés
e às pedras da calçada.
 



publicado por Donagata às 23:35
O diário do meu alter-ego. O irreverente, desbocado, mal disposto e insensato alter-ego. Mas também o sensível, o emotivo, o lamechas, aquele que tenta dizer coisas de forma bonita... Assim num pobre arremedo poético.
mais sobre mim
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

23

24
26
27
29
30

31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Copyrights
Creative Commons License
O Bar da Praia by Donagata (Celeste Pereira) is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.
Based on a work at donagataempontodecruz.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at livroseopinioes.blogspo.com.
Copyright
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
blogs SAPO