Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009

Imagem daqui
 

Um esquife, forrado de brancos cetins.

Um corpo, vestido de preto, de rosto céreo,

sem expressão, anónimo sem mistério.

O invólucro daquilo que já foi alguém

mas que agora se detém frio, obscuro, ninguém.

Os rostos que me rodeiam revelam dor

pela ausência anunciada, pelos térreos fins,

pela saudade,daquele que era alvo do seu amor.

Eu observo, atenta, triste também.

Mas dentro de mim cresce uma descrença louca

de que sejamos algo mais do que aquele despojo,

que não se aceita, que não é nada, que se apouca.

E que reste algo mais de nós para alimentar o nojo,

daqueles que ficam e se mantêm alguém.

É que, para mim,

a morte é o culminar da vida,

o terminar da demora que nos foi consentida,

uma partida sem retorno, um  fim.

E se alguma coisa de nós resta

é apenas a saudade e a memória.

Lembranças que alinham a nossa história

naqueles que em vida nos amaram.

 

 



publicado por Donagata às 00:27
O diário do meu alter-ego. O irreverente, desbocado, mal disposto e insensato alter-ego. Mas também o sensível, o emotivo, o lamechas, aquele que tenta dizer coisas de forma bonita... Assim num pobre arremedo poético.
mais sobre mim
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Copyrights
Creative Commons License
O Bar da Praia by Donagata (Celeste Pereira) is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.
Based on a work at donagataempontodecruz.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at livroseopinioes.blogspo.com.
Copyright
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
blogs SAPO