Quarta-feira, 03 de Junho de 2009

 
 
 
Procuro por entre as páginas deste livro,
velho, gasto, usado, que sou eu,
as memórias de um tempo em que
eu era a tua sombra e tu o meu embalo.
Mas o livro está velho, gasto, usado
e não consigo vislumbrar o que procuro.
Deixou de existir, de ser, ou se escondeu,
para tornar mais delicado encontrar
esse tempo esquecido e retomá-lo.
 
Donagata em 2009-06-03



publicado por Donagata às 20:47
Gostei mto !
Mtas vezes já me questionei, e me parece que todos os poetas o são...será que tdo que escrevemos somos nós, ou simplesmente inventamos estórias?
Olhamos o mundo e o tentamos defini-lo, e essa viagem é cansativa, pois há um desgaste natural, da própria vida.
Depois me responda.
Bjos.
Wal
waleria lima a 17 de Agosto de 2009 às 04:09

O diário do meu alter-ego. O irreverente, desbocado, mal disposto e insensato alter-ego. Mas também o sensível, o emotivo, o lamechas, aquele que tenta dizer coisas de forma bonita... Assim num pobre arremedo poético.
mais sobre mim
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29


arquivos
pesquisar neste blog
 
Copyrights
Creative Commons License
O Bar da Praia by Donagata (Celeste Pereira) is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.
Based on a work at donagataempontodecruz.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at livroseopinioes.blogspo.com.
Copyright
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
blogs SAPO